Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos…

… O Caminho para a Gestão Sustentável da Água!!!

O Projecto

I. Enquadramento

Seguindo as orientações estratégicas nacionais e europeias, nomeadamente o Programa Nacional para a Política de Ordenamento do Território (PNPOT), o Programa Nacional da Água (PNA) e o Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água (PNUEA), a gestão sustentável da Água para além de uma temática actual no panorama nacional, é também assumida como prioridade máxima para a região do Baixo Vouga, não só pela escassez do recurso em termos quantitativos, mas também em termos de qualidade.

A Sub-Região da NUTS III do Baixo Vouga, constituída por 11 Municípios (Águeda, Anadia, Aveiro, Estarreja, Ílhavo, Murtosa, Oliveira do Bairro, Ovar, Sever do Vouga, Vagos) é uma área que no contexto nacional, tem tido um desempenho claramente positivo no que respeita às questões da competitividade económica, social e ambiental.

O crescimento demográfico, as dinâmicas económicas e os novos estilos de vida tornam a Água um recurso cada vez mais escasso e valioso. As alterações climáticas vêm agravar este cenário.

A Água, enquanto recurso essencial da vida do Homem é característica marcante na Região. A água subterrânea do Cretácico, de excelente qualidade, está em depressão e teme-se a entrada de uma coluna salina que a inutilizaria. A gravidade desta situação é não só bem ilustrada pela proibição em vigor de abertura de novos furos neste aquífero mas também por no período do Verão existirem municípios com problemas de abastecimento de água. No projecto “Plano Municipal da Água” (Borrego et al., 2006) chegou-se há conclusão que a Água não é utilizada do modo mais eficiente, por exemplo, no que se refere à água utilizada para a rega, assim como o uso nos edifícios públicos. Exige-se assim um conhecimento pluridisciplinar e uma capacidade de intervenção que garanta a construção do Caminho para a Gestão Sustentável da Água.

Este Projecto constitui um novo patamar de exigência na gestão de recursos hídricos, promovendo a Eficiência Hídrica nos Espaços Públicos e lançando as bases para uma mais ambiciosa gestão ao nível Intermunicipal, iniciando um caminho que conduza à construção de um Modelo de Uso Eficiente da Água, ajustado às características e especificidades de cada município, quer para os edifícios e seus dispositivos quer para os espaços públicos, em suma um Modelo de Certificação Hídrica.

_______________________________________

II. Descrição Geral

O projecto prevê a intervenção em diversos edifícios e espaços públicos, ao nível do diagnóstico e de propostas de beneficiação da eficiência hídrica (no que se refere a edifícios públicos existentes) e de Certificação de Eficiência Hídrica de Edifícios Públicos (no que se refere a novos projectos a implementar), utilizando alguns destes edifícios/espaços para a implementação de projectos de demonstração (acções correctivas de melhoria).

O Projecto aprovado pelos Municípios da Região do Baixo Vouga e pela Universidade de Aveiro, denominada Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos – O Caminho para a Gestão Sustentável da Água terá um Valor de Investimento Global elegível de 744.093,76 € e será comparticipado pelo FEDER em 70% (520.865,63 €), resultantes da candidatura ao QREN – Eixo IX do Plano Operacional Valorização do Território “Desenvolvimento do Sistema Urbano Nacional”, Domínio de Intervenção “Acções Inovadoras para o Desenvolvimento Urbano”.

Os trabalhos de diagnóstico/auditoria/certificação serão complementados com acções de informação/formação e sensibilização (Edição de um Guia para as Boas Práticas do Uso Sustentável da Água, e ainda através da realização de seminários de divulgação dos resultados, acções de educação ambiental em escolas, etc.).

Pretende-se com o desenvolvimento desta iniciativa a criação de novas formas organizativas de partilha de informação entre os técnicos das autarquias e investigadores de apoio aos municípios para a implementação deste modelo de gestão eficiente da água, adaptado às especificidades de cada município.

O objectivo estratégico desta iniciativa só será atingido quando for incorporado por parte dos agentes económicos, públicos e privados que a gestão eficiente da água se traduza num conjunto de poupanças imediatas ao nível económico, mas também ao nível energético (redução de consumos de energia) e ao nível ambiental (redução de descargas e redução de emissões CO2).

A adopção destas preocupações de poupança e eficiência hídrica por parte de todos os munícipes é uma meta, a criação de condições técnicas e organizativas por parte dos municípios é o caminho que se pretende fazer, acompanhado por um envolvimento das associações industriais para a incorporação destas preocupações e ajustamento de produtos e processos a esta área (empresas produtoras de torneiras inteligentes, temporizadas, autoclismos eficientes, etc.).

– O Conteúdo Inovador

A inovação principal deste projecto passa pelo desenvolvimento e implementação a nível nacional do Modelo de Certificação da Eficiência Hídrica. A certificação hídrica de um espaço, para além da real poupança de água, irá representar uma promoção inovadora de espaços e edifícios públicos, na medida em que estes poderão ser “rotulados”, relativamente à sua eficiência, tal como acontece actualmente para as questões de eficiência energética (Classe A, B, C, D, E ).

_______________________________________

III. Objectivos

Considerando as necessidades de água dos vários sectores, o uso eficiente deste recurso trará claros benefícios para a sociedade sendo os objectivos deste Projecto:

  • Ocorrer numa poupança efectiva do uso da Água;
  • Demonstrar todos os benefícios que estão associados a pequenas alterações, que se reflectem no uso sustentável da Água e em ganhos económicos, sociais e ambientais;
  • Ocorrer a redução dos caudais de circulação de água que permita a redução de custos de manutenção de redes de águas domésticas e residuais que se traduzirá numa redução da factura mensal;
  • Ocorrer numa redução dos consumos energéticos e dos custos de tratamento de águas induzido pela redução do seu consumo;
  • Ocorrer numa inovação organizacional através da criação de uma plataforma de partilha de informação entre investigadores e técnicos, adequando as respostas às especificidades de cada município, ficando ainda dotados das ferramentas necessárias para poder contribuir para um quadro de apoio a outros agentes municipais;
  • Sensibilizar as comunidades locais para o problema das alterações climáticas, e para a necessidade do uso sustentável da Água;
  • Sensibilizar as unidades industriais produtoras de dispositivos para a adaptação dos seus produtos a estas soluções;
  • Replicar em outros municípios do país, principalmente nos municípios que sofrem de stress hídrico, como por exemplo os municípios do Alentejo e do Algarve;
  • Divulgar os resultados desta iniciativa através da publicação de indicadores de realização e de eficiência de consumos permitindo assim, ser um elemento justificativo de adopção deste modelo por parte dos outros municípios.

– A Aplicação

O resultado concreto e imediato que resulta deste projecto será o estudo e desenvolvimento de um Modelo de Certificação Hídrica de Edifícios, aplicado, numa fase inicial, a 11 edifícios propostos (um por parceiro)

A poupança de água será também um resultado, igualmente importante. Isto passa por pequenas acções que representam grandes poupanças, como por exemplo a adequação do uso de dispositivos ou a sua substituição, a adequação da utilização, o reaproveitamento de águas pluviais entre outras.

A título exemplificativo, um edifício com um consumo médio mensal na ordem dos 200 m3/água, tem um custo fixo mensal de cerca de 400,00€. Com a implementação de algumas das possíveis propostas resultantes da auditoria, será relativamente simples, e com um investimento reduzido, alcançar poupanças na ordem dos 25%, o que irá resultar na diminuição mensal do consumo de água para os 50 m3, e na redução da factura mensal em 100,00€.

_______________________________________

IV. Parceiros

Líder da Operação:

  • Região de Aveiro ―  Comunidade Intermunicipal do Baixo Vouga

Beneficiários da Intervenção:

  • Município de Albergaria-a-Velha
  • Município de Águeda
  • Município de Aveiro
  • Município de Estarreja
  • Município de Ílhavo
  • Município da Murtosa
  • Município de Oliveira do Bairro
  • Município de Ovar
  • Município de Sever do Vouga
  • Município de Vagos
  • Universidade de Aveiro

Coordenação Técnica:

  • Universidade de Aveiro
_______________________________________

V. Localização dos Edifícios e Espaços Públicos

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: