Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos…

… O Caminho para a Gestão Sustentável da Água!!!

Archive for 28 de Junho, 2012

Para poupar água Estados Unidos criaram rótulo WaterSense

Posted by eficienciahidrica em 2012/06/28

A WaterSense é um programa realizado em parceria com a Agência de Protecção Ambiental norte-americana, cujo objectivo passa por assegurar o futuro do abastecimento nos Estados Unidos, oferecendo aos cidadãos uma forma simples de usar menos água, através de produtos com eficiência hídrica e novos serviços.

Os produtos e serviços que ganharam o rótulo WaterSense foram certificados por ser pelo menos 20 por cento mais eficientes, sem sacrificar a performance. Se uma em dez habitações dos Estados Unidos tivessem estes equipamentos certificados, as poupanças atingiriam 22,7 mil milhões de litros por ano e mais de 40 milhões de euros em custos energéticos de abastecimento, produção de calor e tratamento de água.

Para que as empresas possam ostentar este rótulo, têm de assinar um acordo com a WaterSense. Entre outras questões, a parceria define os papéis e as responsabilidades da Agência de Protecção Ambiental norte-americana e da parceria em si, assim como o uso correcto do rótulo em produtos, embalagem, marketing e outros materiais promocionais.

 

Fonte: http://www.ambienteonline.pt/noticias/detalhes.php?id=12327

Anúncios

Posted in Actualidade, Notícias | Leave a Comment »

APRH tem esperança que objectivos do PNUEA sejam cumpridos

Posted by eficienciahidrica em 2012/06/28

A Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos sublinha que definido o quadro dos objectivos, há «esperança» de que os objectivos do Plano Nacional do Uso Eficiente de Água sejam cumpridos. Segundo Rodrigo Proença de Oliveira, presidente da APRH, a operacionalização do PNUEA é um «nvestimento com retorno positivo, se analisado à escala do país, e por isso deve ser concretizado mesmo numa época de restrição financeira».

Que análise faz deste PNUEA?

É de saudar a operacionalização do PNUEA que se encontrava pouco activo desde 2005. O plano define objectivos e metas claras, propõe medidas para as alcançar, indica responsáveis pela implementação das várias medidas e estabelece um sistema de monitorização e acompanhamento adequado. Está assim definido um quadro que nos permite ter esperança que os objetivos do PNUEA venham a ser alcançados. Em fases subsequentes deste processo a Comissão de Implementação e Acompanhamento deverá discriminar as metas definidas de forma agregada para cada setor utilizador da água por metas específicas para cada uma das 87 medidas propostas, de modo a identificar as medidas com maior potencial de melhoria da eficiência e que por isso devem ser objecto de um acompanhamento mais próximo por serem críticas para o cumprimento dos objetivos do plano. O aprofundamento das estimativas dos custos associados a cada medida permitirá priorizar a implementação das medidas propostas. A operacionalização do PNUEA é um investimento com retorno positivo, se analisado à escala do país, e por isso deve ser concretizado mesmo numa época de restrição financeira. E devem ser encontradas soluções para ultrapassar eventuais desequilíbrios na distribuição, entre os vários agentes, dos investimentos a realizar e dos benefícios a alcançar.

Acha exequível as metas definidas para 2020?

As metas definidas no PNUE são reduzir até 2020 o valor da ineficiência dos sectores urbano, agrícola e industrial para 20 por cento, 35 por cento e 15 por cento, respectivamente, sendo que as estimativas de 2009 situavam em 25 por cento, 37,5 por cento e 22,5 por cento. São objectivos alcançáveis tendo em conta a melhoria de eficiência alcançada entre 2000 e 2009. O próprio plano estima que entre 2000 e 2009 o nível de ineficiência reduziu-se de 40% para 25% no sector urbano, de 30 por cento para 22,5 por cento no sector industrial e de 40 por cento para 37,5 por cento no sector agrícola. Acresce que a realidade portuguesa é muito diversa e em todos os sectores há exemplos de uma utilização eficiente da água. O desafio está em generalizar essas boas práticas aos principais sistemas de captação, adução, distribuição, utilização e reutilização de água.

 

Fonte: http://www.ambienteonline.pt/noticias/detalhes.php?id=12343

Posted in Actualidade, Notícias | Leave a Comment »

 
%d bloggers like this: